CEO’s mais bem pagos fazem um pior trabalho!

Já alguma vez se deparou com a situação de ver a mediocridade ser reconhecida, em vez do mérito? Porque é que muitas vezes os CEO’s conseguem os seus objetivos pessoais, mas protegem a sua posição interna, em vez de desenvolverem a organização eficientemente?

A resposta é geralmente  encontrada no nível acima do seu chefe e no conselho de administração. O “chefe”, expressão ainda muito utilizada entre nós,  e o “chefe dos chefes” vivem assustados com a contratação das melhores pessoas. “Eles” escolhem a maioria das vezes: a melhor opção “segura”. Não necessariamente a mais competente ou os mais aptos a ajudar a organização para entregar melhores resultados. Normalmente controlam o risco da posição dentro da empresa, colocando layers de gente pouco capaz de lhe fazer frente, do ponto de vista técnico e/ou comportamental.

A performance da organização é comprometida drasticamente, uma vez que, quando o conselho o conselho de administração contrata os CEO’s o que acontece é geralmente uma de duas situações:

  1. Ou contratam pessoas que subiram dentro da organização, talento novo, que nunca geriu uma organização;
  2. Ou pessoas experientes que geriram anteriormente empresas, mas a um nível mediocre.

Assim, na maioria dos casos, e devido ao risco das decisões de contratação, a mediocridade ganha. Porquê ter o custo de colocar uma pessoa nova, sem experiência, ou no segundo caso, investir na nova contratação e dar-lhe a cultura empresarial da organização, que nunca custará menos do que a primeira opção.

Conclusão1: Mantemos o CEO atual, porque é mais barato, independentemente da performance organizacional medíocre. Conclusão2:  CEO’s mais bem pagos, fazem um trabalho pior.

Leia o artigo original, que tem suporte em evidência científica publicada em 30, 2013 study, “Performance for Pay? The Relation Between CEO Incentive Compensation and Future Stock Price Performance,” was authored by Michael J. Cooper , University of Utah – David Eccles School of Business; Huseyin Gulen Purdue University – Krannert School of Management; and P. Raghavendra Rau University of Cambridge; UC Berkeley – Haas School of Business.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.